Símbolos do Amazonas

Hino

O hino representava para os povos antigos uma homenagem feita em forma de poema para homenagear os deuses e os heróis. É ao mesmo tempo um cântico e um poema de evocação, como de invocação, quando nas igrejas, e para fins de adoração sacra. No caso das nações, trata-se de uma composição musical acompanhada de versos que homenageia e representa a Pátria.

O Hino Nacional Brasileiro é de autoria de Francisco Manuel da Silva (música), possivelmente composto em 1831 e oficializado com a proclamação da República, em 1889, e Osório Duque Estrada (letra). Tornou-se oficial somente em 1922, no centenário da independência.

O Hino do Amazonas foi instituído pela Lei nº1404 de 1º de setembro de 1980, após a existência informal de vários outros, executados com esta prerrogativa. Resultou de um concurso público.

A música é do maestro amazonense Cláudio Santoro e a letra do poeta Jorge Tufic Alaúzo.


Hino do Amazonas

A Grande Orquestra e Coro

Visualizar

Grande Orquestra

Visualizar

Pequena Orquestra

Visualizar

Piano e Coro

Visualizar


Discurso

Leia um trecho do discurso do Governador José Lindoso


Letra

Nas paragens da história o passado
é de guerras, pesar e alegria,
é vitória pousando suas asas
sobre o verde da paz que nos guia.
Assim foi que nos tempos escuros
da conquista apoiada ao canhão,
nossos povos plantaram seu berço,
homens livres, na planta do chão.
estribilho: Amazonas, de bravos que doam,
sem orgulho nem falsa nobreza,
aos que sonham, teu canto de lenda,
aos que lutam, mais vida e riqueza.
Hoje o tempo se faz claridade,
só triunfa a esperança que luta,
não há mais o mistério e das matas
um rumor de alvorada se escuta.
A palavra em ação se transforma
e a bandeira que nasce do povo
liberdade há de ter no seu pano,
os grilhões destruindo de novo.

Amazonas, de bravos que doam,
sem orgulho nem falsa nobreza,
aos que sonham, teu canto de lenda,
aos que lutam, mais vida e riqueza.


Tão radioso amanhece o futuro
nestes rios de pranto selvagem,
que os tambores da glória despertam
ao clarão de uma eterna paisagem.
Mas viver é destino dos fortes,
nos ensina, lutando, a floresta,
pela vida que vibra em seus ramos,
pelas aves, suas cores, sua festa.


Amazonas, de bravos que doam,
sem orgulho nem falsa nobreza,
aos que sonham, teu canto de lenda,
aos que lutam, mas vida e riqueza.



Biografias

Conheça as biografias de Jorge Tufic e Cláudio Santoro